Dança Cigana

A Dança Cigana trabalha a coordenação motora, agilidade e ritmo, desenvolve a musculatura corporal de forma integrada e natural. Permite uma melhora na auto-estima tanto feminina como masculina e quebra de diversos bloqueios psicológicos, também …

A Dança Cigana trabalha a coordenação motora, agilidade e ritmo, desenvolve a musculatura corporal de forma integrada e natural. Permite uma melhora na auto-estima tanto feminina como masculina e quebra de diversos bloqueios psicológicos, também possibilita o convívio e aumento das relações sociais.

Com sua música e cultura desperta a força e o poder pessoal. Não há limite de idade para praticar a dança, pois como dizem os ciganos “Não há idade para ser feliz”. O Povo Cigano utiliza a música como uma forma de se aproximar de Deus, por isso, quando estão tristes ou alegres, recorrem à magia da dança para harmonizarem suas vibrações.

Na Dança Cigana, comungam com a natureza. Ciganos, para facilitar a interação Terra/Céu, dançam descalços. Há uma variedade de danças: do lenço, do punhal, da fogueira etc. O que se pode verificar, porém, é que a cigana, embora tenha movimentos aparentemente sensuais, ela é pudica, e jamais veremos além de seus tornozelos nos seus rodopios e meneios. Para evitar acidentes durante o bailado e coreografias, as ciganas usam sobre-saias até em número de sete. Daí, ciganas estereotipadas como as das novelas e filmes nada têm a ver com a realidade.

Na Dança Cigana, o cigano procura desenvolver uma relação telúrica, conectar-se com a natureza e deixar fluir para a superfície física do ser, todos os sentimentos mais íntimos. Assim, nota-se perfeitamente o sinal de êxtase de uma cigana ao rodopiar e fazer seus movimentos gentis, ao sacudir seu pandeiro ou ao som do atrito das castanholas.

Para o cigano, dançar é celebrar a vida, a existência e se ligar a Deus.

Roupas – Suas roupas representam um dos aspectos mais importantes de sua cultura, pois além do significado próprio das vestes dentro dos costumes ciganos, traduzem também uma obediência às tradições do passado e uma das formas de mantê-las vivas ao longo do tempo.

As mulheres usam saias longas, geralmente até os tornozelos, numa demonstração de recato e ao mesmo tempo sedução. Acham desnecessário expor o corpo no pressuposto de que tudo que é muito fácil é desvalorizado. As blusas não possuem decotes ousados, as saias são rodadas e fartas, usando as ciganas mais ricas várias saias sobrepostas. O colorido é o forte atrativo de suas roupas.

Muitas gostam de xales, fitas, rendas, possuindo um significado simbólico dentro de cada família cigana. As mulheres ciganas são muito vaidosas e faceiras, usando a discrição das roupas para fascinarem. As mulheres casadas usam o diklo, lenço de seda no cabelo, as solteiras não. O lenço não precisa cobrir todo o cabelo, mas apanhar um tanto do cabelo. Se uma mulher casada retira o lenço em público ou deixa de usá-lo isto é encarado como de mau agouro, desrespeito ao marido ou chamamento de viuvez.

A roupa dos homens também é bem cuidada, compondo um visual elegante e ostensivo. Camisas bordadas, de mangas largas, calças confortáveis e botas são complementadas com cinturões largos ou longas faixas de tecido colorido presas à cintura. Alguns usam chapéus de aba larga e lenços na cabeça ou no pescoço.

Saia – Representa toda a força cigana, a sedução, respeito e alegria e quanto mais rodada a saia, maior é a sua força. Bater a saia é limpar, ordenar ou mesmo harmonizar as energias que estão desequilibradas. A saia guarda o nosso útero que ser mãe é uma dádiva divina.

Joias – As joias são usadas por ambos os sexos. Cordões de ouro, colares, pulseiras, anéis fazem parte da indumentária cigana como sinal de poderio econômico e elementos de proteção.

Quando utilizada tornozeleiras estas espantam espíritos ruins.

Moedas – Decoram os pulsos, os pescoços e as testas das ciganas penduricalhos feitos de moedas, que chamam a atenção. Antigamente, esses enfeites femininos eram feitos com moedas do mais puro ouro ou, no mínimo, de prata de lei. Com o tempo, esses metais nobres foram deixando de ser utilizados nas moedas comuns, em circulação, restringindo-se aos colecionadores.

Os ciganos não tinham propriedades, não tinham terras, não tinham casas e tudo o que possuíam eram mercadorias ou verdadeiros tesouros em moedas de ouro e prata dos diversos países por onde passavam. Esses metais, conhecidos da Alquimia antiga, sempre foram poderosos instrumentos de canalização de energias positivas, fazendo parte de amuletos e talismãs por tudo o mundo.

As moedas nas roupas ciganas também simboliza a fortuna da família.

Movimentos

Movimentos circulares com os braços: Os movimentos suaves e circulares com os braços fazem nos lembrar das danças das deusas indianas, que com seus gestos ritmados com estes membros, davam a impressão de que tinham vários braços.

Para estes povos os movimentos circulares dos braços significam: a feminilidade; a busca dos elementais do ar; a força feminina que agradece os benefícios do ar; gratidão pelo oxigênio que respiramos; ritual de purificação de nossa aura e diálogo místico com outra dimensão.

Braços que apontam para o Céu e para a Terra: Este movimento tem uma razão significativa, quer dizer que: a mesma força que está em cima, também permanece embaixo. É como diz o famoso mago Hermes Trimegisto: “a força que move em cima, também move embaixo”.

Este gesto da Dança Cigana afirma que há uma energia superior celestial que comanda tudo que está na parte inferior. É um pedido de oração para as forças superiores.

Mãos que se abrem e se fecham: Significam a troca de energia entre o ar e o corpo da mulher. Porque segundo a tradição dos ciganos, a mulher precisa absorver a energia do ar para se inspirar em seus trabalhos manuais.

Bater palmas: Bater palmas é um ato para saudar as alegrias da vida e chamar os espíritos dos antepassados, sempre com o ritmo da música.

Dança Cigana Masculina

A Dança Cigana Masculina traz também uma carga de virilidade uma dança livre já que dança cigana tradicional não permite coreografias, existem alguns pontos a serem esclarecidos, algumas pequenas regras a serem seguidas.

O homem deve cumprir o papel do protetor da mulher com quem dança, de seu defensor e de seu braço forte. Dança de maneira intensa e viril, reafirmando a sua masculinidade e sua força.

Isso, em termos práticos significa que deve representar o elemento de coragem e bravura do homem cigano. 

Não cabe na Dança Cigana Masculina os meneios de cintura ou de quadril, sejam eles quais forem.

Ou seja não é permitido ao homem “requebrar” ou “rebolar” já que, na visão dos ciganos, isto comprometeria a sua masculinidade que também não é cabível na cultura dos ciganos. O cigano não impele ninguém a uma visão sensual de si mesmo, já que, a sociedade cigana é bastante conservadora e baseada em valores muitas vezes arcaicos para os dias de hoje. 

Não deve também tocar à sua parceira de dança ou a si próprio de maneira lasciva. Existem ressalvas em alguns clãs ciganos aonde existem toques sutis e, de certa forma, inocentes entre parceiros de dança. Na maior parte dos grupos e subgrupos ciganos os toques não são permitidos, salvo entre parentes de primeiro grau (pais e filhos, por exemplo).

A Dança Cigana favorece aos homens o momento de liberdade na construção de si mesmo. Força, generosidade, cavalheirismo, criatividade e elegância.

Os elementos usados são Terra e Fogo, próprio da energia masculina nesta dança.

Instrumentos usados pelos homens:

Castanholas: (força e determinação, simboliza as batidas do coração).

Punhal: (corta energias invasivas, limpa o ambiente, representa a coragem dos ciganos em suas lutas pela vida. Traz a força e a cura em seus rituais de purificação), Simboliza o Poder, Símbolo do Elemental do fogo,(ar) representa a força e o poder de transmutar qualquer energia negativa, imprescindível em qualquer ritual mágico cigano. a ciganos que carregam mais de um punhal consigo, tamanha força que ele tem. Utilizado em vários rituais ciganos como casamento, batismo, iniciação, etc..

Rosa: Representa o amor, a beleza, a conquista.

Lenço: conquista da parceira, simboliza uma dança de casamento.

Elisângela Sanches (Lilica)
http://www.ecrescer.com.br/elisangela-sanches-lilica

 

2 Comentários

  1. Tatiana Zavanella -

    Gostaria de agendar a aula aberta, se for necessário, na terça às 18h00.

    Aguardo respostas

    Gratidão

    Responder
  2. VITOR BALDEZ -

    Ministro aulas de dança Cigana Masculina no Rj, e admiro o grande movimento que é feito em SP. Aqui estou propondo novidades que pretendo levar para todo o Brasil.

    Responder

Comente

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.